Bridget Jones: Louca Pelo Garoto (Mad About the Boy) – Helen Fielding

Oi! Hoje não deveria ser dia de série, mas ando com vontade de deixar tudo em pratos limpos, e, para mim, uma boa parte disso é ter todas as séries devidamente organizadas. Achei melhor começar pela Bridget, já que li o terceiro livro logo no início do ano e ele é o único faltante. Vem ver como anda a mais famosa personagem de chick-lit de todos os tempos em “Bridget Jones: Louca Pelo Garoto”.

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Em seus 50 anos, viúva, mãe de dois filhos na Londres contemporânea, Bridget retoma seu diário abandonado e mostra que continua a mesma, e ainda mais viva – e ativa – do que nunca. O tempo se encarregou de trazer à sua vida outros dramas e dilemas, mas não levou embora seu jeito estabanado e a personalidade luminosa sem a qual ela não poderia enfrentar os momentos comoventes que a aguardam. Além de não descuidar da balança e manter-se longe dos cigarros, agora ela também precisa se preocupar com sites de relacionamentos, o número de seguidores no Twitter e os perigos de trocar mensagens de texto depois de algumas taças de vinho. Ainda às voltas com os amores, Bridget tropeça em novas confusões e tenta em vão se esquivar das gafes que ajudaram a consagrá-la como uma das personagens mais divertidas da literatura feminina, enquanto figuras antigas e recentes desfilam por sua vida – sobretudo um garoto misterioso que vem para balançar seriamente suas certezas.”

Vou admitir que no começo eu estava bem receosa em ler este livro. Tinha gostado muito do primeiro e nem tanto assim do segundo, e definitivamente esperava ficar deprimida ao ver que o Mark tinha morrido, afinal, passei o tempo todo torcendo por ele, que era uma personagem realmente boa. Não vou mentir: começar o livro foi mergulhar numa ligeira nostalgia e num bocado de tristeza, porque quando a Bridget menciona o marido é com dor e saudades, e não pude deixar de me colocar o lugar dela e em pensar como seria difícil ter filhos e perder o marido amado de uma maneira trágica. Não deve mesmo ser fácil, e acho que o grande mérito do livro – que até o redimiu do segundo, bem mais fraco, – foi mostrar que até dentro de uma personalidade estabanada e distraída pode se esconder uma pessoa que toma as rédeas da própria vida.

A narrativa é boa e as personagens – tanto as que já conhecemos quanto as que aparecem aqui pela primeira vez – são boas e consistentes, e achei que a combinação foi bem apropriada para formar um livro que se passa tantos anos depois do anterior mas mantendo a essência do que veio antes. “Louca Pelo Garoto” é bem melhor do que “No Limite da Razão” e, guardando-se as devidas reservas e mudanças, tão bom quanto “O Diário de Bridget Jones”. Recomendo bastante!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

Bridget Jones:

01- O Diário de Bridget Jones

02- Bridget Jones: No Limite da Razão

03- Bridget Jones: Louca Pelo Garoto


2 thoughts on “Bridget Jones: Louca Pelo Garoto (Mad About the Boy) – Helen Fielding

  1. Oi, Nina.
    Ainda não li essa série, mas tomei um susto quando sou que a autora tinha simplesmente matado o marido da Bridget depois de tudo o que eles passaram! E essa coisa da mulher mais velha pegar um garotão (ou de um cara mais velho pegar uma mocinha) é um negócio estranho para mim! rs…
    Então acho que não vou ler tão cedo, mesmo sabendo que deve ser bom!
    beijos
    Camis

    • Camis, dá uma chance e você vai se surpreender! Eu também acho que, na vida real, esses gaps de idade dificilmente funcionam, mas deixa os julgamentos de lado um pouco e você vai ver que é uma história legal com reflexões interessantes!

      Beijos!

Tem algo a acrescentar?