Cerimônia Mortal (Ceremony in Death) – J. D. Robb

Oi! Julho vai chegando ao final e é dia de mais uma resenha da Série Mortal. Por causa disso, teremos três resenhas essa semana, então fiquem ligados na sexta feira. Hoje vamos ao quinto livro da série, que tem uns toques interessantes de ocultismo e bruxaria: “Cerimônia Mortal”.

CerimniaMortal

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Em seu mais novo caso, Eve Dallas – detetive do Departamento de Homicídios da Cidade de Nova York – descobre que, mesmo perto do fim do século 21, velhas crenças ainda se mantêm intactas. Investigando a morte de um colega policial, Eve se vê obrigada a colocar a ética profissional acima de qualquer relação emocional. No entanto, quando encontra um cadáver na porta de sua casa, percebe que aquela pode ser uma ameaça bem pessoal. Ao lado do marido Roarke, ela se vê envolvida em uma aventura além da compreensão humana, no limite entre o bem e o mal.”

Nesse livro a Tenente tem de investigar um caso que afeta uma pessoa próxima: Feeney, seu antigo mestre e grande amigo. Como ele era próximo da vítima, que morreu em circunstâncias suspeitas, Eve sabe que ele está sensível, e tenta esconder o caso dele, o que, obviamente, não dá em grandes coisas, né? A neta da vítima – que acaba por se tornar a segunda vítima – estava envolvida em cultos e rituais de magia e bruxaria, e Eve tem uma suspeita forte sobre quem pode ser responsável por todas as mortes – mas se balança pra descobrir se os motivos são espirituais ou terrenos.

A narrativa segue a mesma linha dos livros anteriores, então é um livro fácil de ler. Aqui temos uma personagem que entra na vida da Tenente, mas não como Peabody, que sempre aparece. Jamie Lingstrom é irmão de Alice, a moça envolvida com ocultismo, e acaba por entrar na vida de Eve e Roarke (especialmente de Roarke) de uma forma até engraçada, e volta a aparecer brevemente em outros dois livros. A investigação em si foi bem complicada: não por causa dos culpados, esses pareceram claros desde o início, mas pelos motivos e pelo modus operandi, que se revelou difícil de descobrir. Gostei mais deste livro que do anterior, e achei que o conjunto foi mais interessante. Como sempre, recomendado!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos nós e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?