Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios – Marçal Aquino

“Queremos o que não podemos ter, diz o professor Schianberg, o mais obscuro dos filósofos do amor. É normal, saudável. O que diferencia uma pessoa de outra, ele acrescenta, é o quanto cada um quer o que não pode ter. Nossa ração de poeira das estrelas.”

Marçal Aquino – Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios

Oi! Mais uma semana que começa, e eu continuo falando dos livros que li no primeiro semestre de 2015. Hoje é dia de um que eu peguei pra ler enquanto esperava começar minha sessão no cinema – e que simplesmente me arrebatou, não consegui tirá-lo da cabeça! De um dos meus novos autores preferidos, hoje é dia de “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios”.

lindoslábios

“No momento em que narra os fatos de ‘Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios’, o fotógrafo Cauby está convalescendo de um trauma numa pensão barata, numa cidade do Pará que algum tempo antes fora palco de uma corrida do ouro. Sua voz é impregnada da experiência de quem aprendeu todas as regras de sobrevivência no submundo – mas não é do ambiente hostil ao seu redor que ele está falando. O motivo de sua descida ao inferno é Lavínia, a misteriosa e sedutora mulher de Ernani, um pastor evangélico. A trajetória do fotógrafo, dado a premonições e a um humor desencantado, vai sendo explicada por meio de pistas – a história de Chang, morto num escândalo de pedofilia; o mistério de Viktor Laurence, jornalista local que prepara uma vingança silenciosa; a vida de Ernani, que no passado tirou Lavínia das ruas e das drogas. Mesmo diante de todos os riscos, Cauby decide cumprir seu destino com o fatalismo dos personagens trágicos. ‘Nunca acreditei no diabo’, diz ele, ‘apenas em pessoas seduzidas pelo mal’.”

Como eu contei logo no início da resenha, peguei esse livro na livraria pra dar uma olhada, enquanto esperava minha hora de entrar no cinema. Tinha umas duas horas e meia pela frente, e ainda ia ver uma amiga, mas precisei de menos que isso pra esquecer que ainda não tinha comprado o livro, sentar numa poltrona e devorá-lo de uma capa a outra. Eu já conhecia Marçal Aquino porque tinha lido um conto dele, “Sábado”, quando estava no quarto semestre da minha primeira graduação. Fiquei tão encantada com a escrita dele, anos atrás, que, quando vi este livro na livraria, reconheci o título de algum lugar e percebi que era dele, não resisti. Li. Devorei. Caí de amores.

“Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios” é uma história de amor, tragédia, sofrimento e redenção que te captura na primeira linha e só te liberta na última, com a sensação de que você viveu o amor de Cauby e Lavínia. Tudo é orgânico, bem narrado e bem amarrado, e mesmo que existam toques de irrealidade na história, eu me envolvi de tal modo, fiquei tão capturada ali, que senti que tudo aquilo era perfeitamente possível, que tinha mesmo acontecido e que eu tinha sentido e vivido tudo em primeira mão. A combinação de uma história interessante, com uma narrativa bem feita e personagens que te enfeitiçam foi demais pro meu coração leitor, faminto de boas histórias – especialmente de bons romances, que realmente enfraqueçam os joelhos e façam palpitar o coração.

Me apaixonei por um livro e por uma história. Isso não acontecia há tanto tempo que fiquei ansiosa esperando o momento de resenhá-lo aqui. Pra variar, como acontece com os livros que eu amo demais, escrevi uma resenha muito apaixonada e, possivelmente, pouco objetiva. Fica obsoleto dizer que recomendo, né? Mas digo assim mesmo: recomendo. Acho que todo mundo devia ter a chance de conhecer um amor assim, mesmo que seja só na literatura!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

P.S.: O livro virou filme. Aqui o trailer:


Tem algo a acrescentar?