Fortaleza Digital (Digital Fortress) – Dan Brown

Posted on

Oi! Comecei a semana extremamente estressada, o que não é coisa boa, logicamente. Como não estou no melhor dos humores, escolhi resenhar o único livro do Dan Brown que achei interessante, e que ainda assim não é a melhor coisa que eu li na vida. Vamos de “Fortaleza Digital”.

Quando o supercomputador da NSA (Agência de Segurança Nacional), até então considerado uma arma invencível para decodificar mensagens terroristas transmitidas pela Internet, se depara com um novo código que não pode ser quebrado, a agência recorre à sua mais brilhante criptógrafa, a bela matemática Susan Fletcher. Presa numa teia de segredos e mentiras, sem saber em quem confiar, Susan precisa encontrar a chave do engenhoso código para evitar o maior desastre da história da inteligência americana e para salvar a sua vida e a do homem que ama. Uma corrida desesperada se desenrola paralelamente nos corredores do submundo do poder, nos arranha-céus de Tóquio e nas ruas de Sevilha. É uma batalha de vida ou morte que pode mudar para sempre o equilíbrio de forças no mundo.

Esse foi o segundo ou terceiro livro do Dan Brown que eu li – o único que não li até agora foi “Inferno”, que vou acabar por ler só pra ver as descrições da minha amada Firenze -, e acabei por gostar bastante da história, o que me surpreendeu.

A narrativa é como todas as do Dan Brown: narrador em terceira pessoa, perspectiva de várias pessoas, cortando pra outro narrador nos momentos de clímax e com uma investigação que envolve segredos de Estado/segurança nacional. Brown é um dos vários escritores que seguem uma fórmula de escrita. Não estou dizendo que isso o desmerece, apenas que, no caso da narrativa dele, eu não me interesso tanto. Esse livro tem a vantagem de ter uma investigação super interessante, e isso prendeu minha atenção o tempo todo.

As personagens talvez tenham ajudado, ainda que parte das histórias delas sejam inverossímeis em diversos momentos. Gostei de Susan, que, ainda sendo ingênua quando se trata de seus supostos atrativos, é inteligentíssima, e uma criptógrafa excelente. Seu noivo é uma graça também, mas um pouco irritante com aquela bobagem que alguns homens têm de sentir que são inferiores por ganharem menos que as companheiras. Essa vaidade o leva a ter problemas, então respeito essa frescura ainda menos.

No mais, o livro é bem legalzinho. Considerando-se que os livros do Brown não têm nada de muito especiais, esse é até bem razoável. Recomendo pra quem quer passar o tempo e curtiu “O Código Da Vinci”, já que segue a mesma linha.

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!


4 thoughts on “Fortaleza Digital (Digital Fortress) – Dan Brown

  1. Dan Brown escreveu 6 livros Marina! E sobre a formula, é bem isso mesmo. Depois de ler alguns livros já dá pra sacar quem é quem na estória.

    • Pizza? Sério mesmo, Pedro? kkkk!

      Pois é, eu li 5 livros dele (Fortaleza Digital, Ponto de Impacto, Anjos e Demônios, O Código Da Vinci e O Símbolo Perdido), mas nem sei o motivo! Pra ser franca, não gosto muito dele, mas fazer o que, né?

      Um beijo e volte mais vezes!

Tem algo a acrescentar?