Frankenstein (Frankenstein) – Mary Shelley

Oi! Voltei às aulas hoje, por isso a resenha está saindo nesse horário, como era no início do ano. Será assim por alguns meses, então peço paciência para a publicação das resenhas do dia. Para a segunda resenha da semana escolhi mais um dos livros que me passaram para ler na faculdade, mas esse eu não li quando deveria. Hoje vamos de “Frankenstein”, de Mary Shelley.

frankenstein

Frankenstein conta a história do Doutor Victor Frankenstein, que é acolhido no navio do Capitão Robert Walton. Walton é um escritor fracassado que está viajando para o Pólo Norte em busca de conhecimento que possa lhe trazer fama, e que se corresponde com sua irmã Margaret Walton Saville; é através dessas correspondências que descobrimos a história do doutor Frankenstein. Acolhido moribundo no navio de Walton, Victor percebe no explorador uma ambição pela ciência e pelo conhecimento similares às que ele um dia teve, e resolve contar sua vida para seu salvador, na esperança de que sirva de aviso e que evite erros semelhantes aos seus. Um homem da ciência que buscava conhecimento acima de tudo, Frankenstein conseguiu descobrir o maior segredo científico de todos os tempos: como criar vida humana; esse conhecimento é posto em prática, e a criatura nascida desse experimento coloca em xeque todos os princípios do cientista, além de ameaçar a vida de seu criador e daqueles que ele ama.

Acho que a maioria das pessoas conhece o “monstro” Frankenstein, mas, até onde pude observar, a história original, só quem estuda Letras ou tem um super interesse em clássicos lê. É uma pena, pois a história é interessantíssima! Eu só não a li quando deveria por ter um certo abuso da professora com quem cursei a matéria, e sou dessas que prefere não ler quando sei que vou criar raiva…

A narrativa não me deixou propriamente horrorizada, mas considerando-se que esse livro é um dos precursores do terror, o gênero evoluiu, assim como nossa noção do que é assustador. O livro é bem escrito e bem narrado, mas é cheio de arcaísmos (pra quem lê em inglês, como eu, é um bom exercício de vocabulário! O inglês do século XIX é cheio de expressões diferentes.), então pode ser que incomode ao leitor.

As personagens são boas, e eu gostei do “monstro”. É uma criatura horrenda e má, certamente, mas é o maior exemplo de produto de seu meio que eu já vi – claro que não podemos generalizar e culpar o meio por todos os problemas do mundo, mas que a influencia é óbvia e que aqui aparece bastante, isso é! Victor Frankenstein é meio irritante, mas de certa forma gostei dele também! A personagem mais enjoadinha, para mim, é Elizabeth, noiva do cientista, que é muito cheia de altruísmos e pouco realista.

O livro é muito bom, é rápido de ler (por ser pequeno e por ser interessante), e foi uma leitura que efetivamente me acrescentou alguma coisa. Recomendado, com certeza!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana e até sábado, com a resenha mais especial da semana!


2 thoughts on “Frankenstein (Frankenstein) – Mary Shelley

Tem algo a acrescentar?