A História Trágica do Doutor Fausto (The Tragical History of the Life and Death of Doctor Faustus) – Christopher Marlowe

Oi! Acordei tão bem hoje, depois de uma semana com enxaqueca, que tudo parece mais bonito! Escolhi resenhar um livro que li pra faculdade, em um semestre que foi especialmente bom – ainda que a história seja, para mim, só ok. Hoje vamos conhecer mais uma versão do Fausto, dessa vez, a de Marlowe.

Scan

“A História Trágica do Doutor Fausto” conta a história de um estudioso em conflito, chamado Fausto. Depois de alcançar o máximo do conhecimento em quase todas as áreas – lógica, direito, medicina – menos em teologia – que ele acredita ser inútil – ele deseja mais, querendo conhecimento ilimitado e acesso à magia e ao poder. Para alcançar tais objetivos, ele faz um pacto com o diabo para ter, por 24 anos, tudo o que deseja, e depois entregar sua alma às profundezas do inferno.

Além de “Dorian Gray”, essa foi a única outra versão de Fausto que eu li. A primeira vez que eu li essa peça foi no primeiro semestre na UnB, e, depois de novo, quando estudei o Drama Isabelino. Em nenhuma das vezes ela foi a melhor leitura da matéria em questão, mas não deixou de ser interessante.

Não vou separar a análise da narrativa e das personagens, porque, de certa forma, são uma só coisa, e se completam: Fausto é uma peça escrita parte em prosa e parte em verso, assim como acontece com as peças de Shakespeare, mas tem uma narrativa bem diferente do Bardo. Talvez tenha sido a história em si, com tantos avisos sobre danação, ou o fato de que Fausto é bem estúpido, não levando em consideração todos os avisos e chances de salvação que recebe, mas acabei por achar a história muito cansativa, meio parada. É um mito muito famoso, e existem várias recontagens dele, e acho que essa apenas não foi das mais interessantes. Pena, porque eu esperava bastante dela quando comecei a ler, ainda mais com a grande fama de Marlowe, considerado um grande dramaturgo. Acho que vou ter que ler as outras peças, para ver se gosto mesmo do estilo dele.

Ah! E se você leu a resenha se perguntando onde já ouviu o nome de Marlowe – e sabe que não foi procurando um livro dele – é só lembrar que ele aparece em “Shakespeare Apaixonado” como um rival literário do próprio Shakespeare.

Recomendo o livro pra quem quer conhecer mais versões do mito de Fausto, ou tem interesse na obra do autor. Mas não é a melhor coisa que eu já li, definitivamente.

Espero que tenham gostado! Bom restinho de semana para todos e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?