A Menina sem Qualidades (Spieltrieb) – Juli Zeh

Oi! Hoje acaba meu recesso e minha rotina começa a voltar, então precisei escolher um livro que fosse acompanhar os primeiros dias de volta ao trabalho. Escolhi um que me foi indiretamente recomendado – e vou explicar isso mais pra frente. É dia de “A Menina sem Qualidades”.

a-menina-sem-qualidades1

“Em uma escola do extremo oeste alemão, na cidade de Bonn, se desenvolve a história de uma obsessiva dependência entre Ada e Alev, dois jovens estudantes que constroem uma relação de amizade capaz de ultrapassar todas as fronteiras da moral, da compaixão e das relações previsíveis. Ambos escolhem o professor Smutek como alvo de uma chantagem. Ada, uma estudante de 14 anos, é recém chegada na escola Ernst-Bloch. De inicio ela provoca pouca curiosidade, mas esse é apenas o primeiro passo de uma empolgante historia. Enquanto no gigantesco mundo político as vanguardas do que é bom ou mau se subvertem, no microcosmo da escola Ernst-Bloch se desenvolve uma historia vibrante, com uma série de acontecimentos que conduzem o professor Smutek a uma orgia de violência contra seus alunos.”

Eu conheci este livro por causa da série brasileira que foi inspirada nele. A MTV produziu em 2013 uma série baseada no livro, e um amigo, que já me indicou outros livros e que eu já mencionei aqui outras vezes (aqui e aqui) me disse que era boa, que eu devia assistir; eu o fiz e, pouco depois, vi o livro na livraria, recém traduzido para o português (ainda que tenha sido escrito em 2004) mas não o comprei. No fim do ano passado, no entanto, não resisti, e acabei por em ir busca dele; quase não o encontro! Estava esgotado na maioria dos lugares, mas por fim encontrei um exemplar – que devorei antes de ir para Paris.

A narrativa é fácil de entender, então a leitura acaba por ser rápida. O livro é médio, em termos de tamanho, minha edição tem 508 páginas de história, mas a história é tão fascinante que é daqueles que se devora depressa, na curiosidade de saber o que acontece; atenção, no entanto! Não é um livro para ser lido de forma descuidada, já que os questionamentos morais e os conceitos desenvolvidos (ou mostrados) pelas personagens são dignos de rodas de discussão que tomariam horas, então para aproveitar a leitura de verdade, é bom ter atenção.

As personagens são, provavelmente, o que fazem com que o livro seja tão incrível: Ada, Alev e Smutek (que na série da MTV se chamam Ana, Alex e Tristán) formam uma tríade à princípio estranha, e, à medida que a história avança, um time, e um que funciona bem. Minha personagem preferida foi Ada, porque me identifiquei com muitas coisas sobre ela: sua antissociabilidade, a aparência comum, que desaparece na multidão, a leitura compulsiva (ainda que sejamos impulsionadas por motivos diferentes) e o ligeiro desprezo que ela carrega me fizeram sentir aquele reconhecimento de quando encontramos alguém muito parecido – e também muito diferente, afinal, não sou idêntica a Ada nem ela a mim. Alev e Smutek se tornaram secundários quando comparados à personagem título, que carrega consigo uma inteligência tão impressionante que assusta os que estão em volta.

Este livro foi, definitivamente, o mais inquietante que eu li em 2014. A história e as personagens que a formam mexeram comigo de uma forma inexplicável, do jeito que só a literatura – e raros episódios de realidade – conseguem. Recomendo a leitura para todos e qualquer um – todo mundo pode aprender um pouco com a Ada.

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

Para conhecer mais a história:

Esse post super legal do Papo de Homem

IMDb do filme inspirado no livro

1º episódio da série da MTV no youtube

6 Comments

    • Oi Pâmela! Sou do DF, nasci em Taguatinga, Região Administrativa de Brasília! Eu sempre li muito, então leio depressa: um livro como esse, se eu tiver a manhã disponível, leio em 5 horas, mais ou menos. Se tiver de partir a leitura em vários momentos diferentes do dia aí demoro mais, mas ainda assim eu sou bem ligeira! =)

      Beijos e obrigada pela visita!

Tem algo a acrescentar?