Mulherzinhas (Little Women) – Louisa May Alcott

Oi! Tive uma semana tão cheia até agora que mal posso acreditar que ainda é quarta! Me sinto como se tivesse corrido uma maratona, de tão cansada! No espírito de buscar sossego e descanso – pelo menos de forma teórica -, escolhi falar de um livro que, mesmo dentro de seus acontecimentos “emocionantes” é bem parado e calmo. Vamos de “Little Women” (e o título vai em inglês porque nenhuma tradução dos nomes, até agora, ficou boa).

littlewomen

“Em “Little Women” conhecemos a história da família March: as irmãs Jo, Beth, Amy e Meg vivem com a mãe, Sra. March, e esperam pelo retorno do pai, que está alistado no exército, lutando na Guerra Civil Americana. As moças são constantemente ensinadas a serem boas mulheres, a crescerem de forma a serem felizes, realizarem seus sonhos e deixarem seus pais orgulhosos, mas sentem as constantes dificuldades da falta de dinheiro – perdido há pouco tempo – e das saudades do pai ausente. Um livro sobre amor, trabalho e a vida doméstica, com heroínas charmosas e muito diferentes, ainda que de valores iguais.”

Eu queria ler este livro já há tempos, e por motivos dos mais diversos, e um deles pode ser bem engraçado. Pra quem não sabe, eu adoro Friends – é, a série de TV – e foi parcialmente por causa dessa série que eu aprendi inglês; em um dos episódios, a Rachel menciona para o Joey que leu “Little Women” muitas vezes, e combina com ele que vai ler o livro que ele leu várias vezes (“O Iluminado”, do Stephen King), se ele ler o dela. Aquilo me deixou extremamente curiosa e minha vontade de ler se fixou. Depois de comprar o livro nessa edição linda que está aí na foto (toda emborrachada e caprichadíssima!), matei minha vontade.

Sinceramente eu não sei o que esperava do livro, mas certamente não era o que eu encontrei. Ele é basicamente a história das quatro irmãs narrada de uma forma bem simples, contando até das coisas mais triviais que elas fazem. As quatro são bem diferentes entre si, o que teoricamente faria com que o livro tivesse lá seus conflitos, mas mesmos estes foram como o restante da história: mornos. A verdade é que achei a história bastante parada, sem nada de mais acontecendo, e o destino dado à maioria das personagens não me agradou. Não é que eu não tenha gostado do livro inteiro, mas achei que podia ter sido melhor.

As personagens talvez tenham colaborado para essa minha impressão: adorei a Jo, a irmã que, de certa forma, protagoniza o livro: decidida, corajosa e inteligente, ela não liga para convenções e para as expectativas das irmãs sobre sua aparência, e é a que tem gestos mais corajosos ao longo do livro. Não gostei de Amy, a irmã mais nova, que é uma criaturinha mimada, egoísta e extremamente superficial (e que não merecia metade do que ganhou). Beth e Meg foram personagens mornas pra mim, assim como os pais das meninas, mas gostei de Laurie e seu avô, que pelo menos tinham uma história mais interessante pra contar.

De novo, não é um livro ruim, mas é bem mais bobo do que eu esperava. Até recomendo, mas para pessoas pacientes e que gostem de clássicos, pois têm mais chances de chegar ao final do livro sem muitos traumas!

Espero que tenham gostado! Bom restinho de semana para todos e até a próxima!


3 thoughts on “Mulherzinhas (Little Women) – Louisa May Alcott

    • Oi Helena!

      Olha, de feminista ele não tem nada, viu, afinal, além de ter sido escrito em uma época em que “lugar de mulher era no tanque”, não mostra nenhuma intenção por parte das protagonistas em mudar essa situação, a não ser pela Jo – e ela é sempre coibida pela mãe e as irmãs a ser mais “feminina”!

      Um beijo!

  1. Pingback: Retrospectiva Literária de 2014 - O Mundo da Marina

Tem algo a acrescentar?