O Auto da Compadecida – Ariano Suassuna

Oi! Não sei a de vocês, mas minha segunda feira começou com uma prova, o que explica o atraso da resenha de hoje. Em dias em que tenho momentos ruins ou faço algo que não gostaria de fazer, escolho para resenhar, histórias divertidas, que tenham me agradado. É uma forma de desanuviar minha mente dos problemas e do que me deixa estressada, e hoje eu escolhi uma história assim. Hoje é dia de “O Auto da Compadecida”.

“Acompanhe as aventuras de Chicó, João Grilo, o padeiro e sua mulher e tantas outras personagens típicas da literatura de cordel brasileira, todas vivendo situações hilárias – e meio hereges – que os levam a um julgamento no alto do Reino dos Céus com a presença de figuras ilustres – e assustadoras.”

Por mais incrível que possa parecer, nunca vi nenhuma adaptação da história, nem mesmo o famoso filme de 2000, então nem sei de onde veio minha vontade de ler a peça. Li assim mesmo e me diverti muito com as desventuras de João Grilo e Chicó.

Bom, mesmo “O Auto da Compadecida” sendo uma peça, e mesmo para quem não está acostumado com esse tipo de leitura, é fácil entender a história. Na verdade eu achei que o formato colabora para a história, já que, às vezes, os diálogos das personagens – e as confusões em que eles se metem – são rápidos e ágeis, e mesmo lendo apenas o texto, não vendo nenhuma adaptação, somos capazes de ver como ficaria em um palco (ou numa tela de cinema).

As personagens são bem caricatas e divertidas, e acabei por gostar de todas. Em especial, gostei da dupla Chicó-João Grilo, e do padeiro e sua mulher, que com suas confusões, avarezas e ciúmes (e a infidelidade da mulher) criam boa parte das situações vividas pelos protagonistas. De forma geral as personagens são divertidas de uma forma homogênea, e junto com o texto e a história em si, trabalharam para formar um conjunto homogêneo e divertido. Existem críticas importantes dentro da história, então não deixem que o humor apague o que Suassuna quis mostrar com seu trabalho – mas não deixem de apreciá-lo também, já que é uma parte importante da história.

No todo, a história é boa, divertida, mas também faz pensar – se você abrir sua cabeça para isso. Gostei demais e recomendo bastante!

Espero que tenham gostado. Boa semana para todos nós e até a próxima.


Tem algo a acrescentar?