O Milagre (True Believer) – Nicholas Sparks

Oi! Mais uma sexta de compensação e cá estamos nós com um livro que foi uma surpresa. Eu já tinha deixado minha fase Nicholas Sparks pra trás – acho que os três livros dele que me interessavam e que eu li já foram até resenhados aqui no blog – quando minha mamma chegou em casa com esse livro pra mim. Não era uma ocasião especial nem nada, ela só queria mesmo me dar um livro. Peguei pra ler num dia que precisava de lágrimas (pré-requisito pra um livro dele) e acabei me surpreendendo! Vem ver o que eu achei de “O Milagre”.

O Milagre

“Vestido de preto da cabeça aos pés e com a aparência de alguém sempre pronto para ir a um velório, Jeremy Marsh reflete em seu estilo uma forte vocação para encarar a vida de uma forma racional. Badalado pela mídia, respeitado pela comunidade científica, aos 37 anos o jornalista assina uma coluna na prestigiosa revista Scientific American – sem, contudo, emplacar um relacionamento feliz. A saída que Jeremy encontra para exorcizar o fantasma de um casamento desfeito é negar a existência de outros tipos de fantasmas: aqueles que arrastam correntes e aparecem sob lençóis. Seu trabalho como freelancer já o fez viajar pelo mundo à cata de lendas urbanas como a do monstro de Loch Ness. Por isso, não se surpreende ao receber a carta de Dori McClellan, uma senhora com poderes divinatórios que o convida a investigar as misteriosas luzes de Cedar Creek, um antigo cemitério de escravos que teria sido alvo de uma maldição. Acionando seu agente e um cameraman tatuado e beberrão, Jeremy deixa Nova Iorque e parte em direção ao sul dos Estados Unidos. Essa é a terra da sofrida Lexie Darnell – alguém que longe de ser uma mocinha ingênua do interior, se mostra vacinada contra os avanços de qualquer conquistador da cidade grande. Mas será que um forte sentimento pode ultrapassar as fronteiras que separam a fé da descrença?”

Bom, como eu disse lá em cima, peguei a história pronta para alguma desgraça fenomenal que me faria chorar quarenta litros, e me surpreendi ao encontrar uma história de amor água-com-açúcar do tipo mais tradicional – e, spoiler, que não me desidratou! A narrativa é aquela do Sparks: cheia de toques de drama e com muita tristeza no passado dos protagonistas, mas, ao mesmo tempo, com um mistério a ser resolvido, coisa nova pro autor! Não era assim um super mistério nem nada de incrivelmente fantástico, mas deu uma acordadinha num livro que tinha tudo pra ser bem chatinho, não fosse esse detalhe!

As personagens são bem ok, nada de especial. Jeremy é aquele descrente chato, que mesmo que apanhasse de um fantasma não ia admitir sequer a possibilidade de sua existência. Me deu nos nervos por um bom pedaço da história! Lexie é inteligente, esforçada e tudo mais que protagonistas do Sparks costumam ser, mas é medrosa depois de ter o coração partido e se esconde por trás de seu trabalho. Os dois até formaram uma boa dupla, mas não são o melhor casal que já conheci na vida. Minha personagem preferida, na verdade, foi Dori, mas não posso dizer o motivo sem contar parte da história que deve permanecer sem ser contada. No mais, um livro bem bobinho, sem nada de mais, mas que eu recomendo pra quem quer uma coisinha água-com-açúcar pra não pensar muito.

Espero que tenham gostado! Bom fim de semana para todos nós e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?