O Perfume (Das Parfum, die Geschichte eines Mörders) – Patrick Süskind

Oi gentem! Então, eu estou muuuito feliz com as visitas e comentários de todos! Vocês não têm ideia de como é gratificante ler os comentários de vocês, perceber o carinho com que vocês me tratam… de verdade, isso esquenta o coração! Por isso mesmo hoje vou atender um pedido e resenhar “Perfume”.

Mas antes eu queria compartilhar uma novidade maravilhosa com vocês, que me deixou muuuito feliz: meu projeto de pesquisa foi aceito! Pra quem não entendeu, eu explico: como eu estudo em uma Universidade federal, temos a possibilidade de participar do Projeto de Iniciação Científica, o ProIC, que incentiva os alunos a produzir novos trabalhos e aprender e estudar, tendo, em alguns casos – como o meu – auxílio financeiro. É uma oportunidade incrível pra aprender, e desenvolver mais a área de estudos pela qual você se interessa, no meu caso – adivinhem – foi a literatura!

À medida que as coisas forem acontecendo no projeto – e se for do interesse de vocês, lógico – eu posto mais novidades aqui, ok? Bom, como  forma de comemoração teremos o tal post novo, e o livro sobre o qual eu falo hoje foi sugerido pela Camila, lá do Leitora Compulsiva!

O Perfume – a história de um assassino foi escrito por Patrick Süskind em 1985 e adaptado para o cinema em 2006. Esse livro conta a história do fantástico Jean-Baptiste Grenouille, nascido em mais um dia fedorento da mais fedorenta cidade do mundo: Paris (não se choquem afinal essa era a França do século XVIII, que era muito diferente de hoje em dia!). Ele nasce no meio do dia de trabalho de sua mãe, que vende peixes no mercado mais fedorento da cidade. Ela nem se dá ao trabalho de olhar pra baixo pra vê-lo, pois pensa que nasceu morto como seus outros filhos, mas é aí que o inesperado acontece: ele chora, e as pessoas notam sua presença. Sua mãe é presa e enforcada, e ele é mandado para um orfanato, que o deixa aos cuidados de uma ama de leite, já que ele é recém-nascido; e é a ama de leite quem primeiro percebe que ele não tem cheiro.

À medida que vai crescendo, Grenouille percebe que pode sentir cheiros que as pessoas comuns não podem, como vidro, ou cheiros que são iguais para as pessoas, quando ele percebe que são diferentes, como a diferença entre madeira seca e madeira molhada. As crianças no orfanato o odeiam por ele ser tão diferente, mas ele não liga para isso. Sua única ambição na vida é conhecer o máximo de cheiros possíveis, e aí começam suas aventuras, já que quando cresce o suficiente, ele é mandado para trabalhar e ganhar a vida por si mesmo, sem ser sustentado pela igreja que é responsável pelo orfanato  onde vive; e ele vai trabalhar em um curtume. Suas reais aventuras começam depois que ele vai entregar couro na casa de um perfumista, que, depois de vê-lo recriar um perfume de um famoso rival, o torna seu aprendiz, em troca de suas receitas para perfumes. Ele ensina a Grenouille o básico em matéria de obtenção de cheiros, mas Grenouille decide partir para aprender técnicas mais avançadas; é a partir daí que a parte do assassino começa de verdade.

O fato é que Grenouille sente tão bem os cheiros que quer capturá-los a qualquer custo. Mesmo ao custo de uma vida. Ele começa a matar mulheres, tentando de várias formas obter seus cheiros, e se torna um procurado. Ele quer criar o perfume perfeito.

Eu sei que parece que eu contei a história do livro toda, mas, acreditem, eu não contei! Ele é cheio de nuances e detalhes importantes, que montam um quadro incrível da Paris hipócrita – com relação ao crime – do século XVIII. Recomendo muuito, e aviso: é MUITO melhor que eu filme. Sei que é muito clichê dizer isso, já que essa é a regra, não a exceção, mas é válido destacar que se vocês gostaram do filme, provavelmente vão gostar muito mais do livro!

Bom gente espero que tenham gostado! Obrigada por estarem sempre aqui, significa muuuito quando recebemos tanta atenção dos leitores, e aquece o coração, só de pensar em como vocês estão me deixando feliz! Até a próxima, e obrigada pela sugestão Cami!


Tem algo a acrescentar?