O Poderoso Chefão (The Godfather) – Mario Puzo

Oi! Não tinha nada planejado para a resenha de hoje, então resolvi resenhar um livro do Mario Puzo. Ia ser “Os Bórgias”, mas quando conferi no arquivo do site e me dei conta de que ainda não tinha falado de “O Poderoso Chefão” tive que mudar de ideia, afinal, se é pra falar de Puzo, que seja começando por sua obra mais conhecida (e que originou a trilogia de Coppola, mais conhecida pela maioria das pessoas). Livros que mencionem a terra dos meus ancestrais me chamam logo a atenção, e eu me apaixonei por esse!

“O submundo da Máfia e o talento literário de Mario Puzo ganharam notoriedade com a publicação de “O Poderoso Chefão”. O carisma de Don Vito Corleone encanta na mais perfeita reconstituição da vida e dos negócios das famílias mafiosas de Nova York. Apesar de implacável, Don Vito é, essencialmente, um homem justo. Padrinho benevolente, nada recusa aos seus afilhados: conselho, dinheiro, vingança e até mesmo a morte de alguém. Em troca, O Poderoso Chefão pede apenas o respeito e a amizade de seus protegidos. Mas ninguém pode vencer as trapaças da idade. Quando seus inimigos atacarem juntos e tudo que a família Corleone significa estiver por um fio, o velho Corleone terá de escolher um sucessor à altura.”

Hoje eu quero começar falando da escrita do livro. Puzo é excelente, e as descrições que ele dá fazem com que o leitor se sinta parte do universo que ele está criando/narrando. Eu me senti bem ambientada, e gostei muito de como ele narra. É direto, limpo e com referências na história que acontecia naquele momento (a personagem Johnny Fontaine, foi inspirada, dizem, em Frank Sinatra. Puzo nunca negou nem confirmou essa informação, mas só de ler o livro eu tive a sensação de que essa inspiração aconteceu sim). O livro é de um tamanho razoável (minha edição tem 655 páginas), e não fica cansativo.

As personagens são um baile à parte. Gostei de todas, mesmo as que gostei de detestar (inevitável em um livro em o leitor toma partido de algum lado, como é o caso deste). O que achei mais interessante na leitura é que, mesmo sabendo que Vito Corleone (O “Poderoso Chefão” do título) é basicamente um criminoso, eu não o julgava. Eu sei que isso não diz nada de bom sobre mim, mas a verdade é que você se pega enxergando o outro lado, e, em alguns casos, até “perdoando” alguns crimes. Miss Marple provavelmente não se surpreenderia comigo, diria que é parte da natureza humana, e eu percebi que todo mundo que lê esse livro tem o mesmo tipo de reação que eu tive. Talvez seja mesmo a natureza humana…

Muita gente conhece a história desse livro pelos filmes do Coppola. Eu vi os dois primeiros, e posso dizer que o primeiro é bem fiel ao livro, e a parte do segundo que conta a história de Vito Corleone quando ainda era Vito Andolini é razoavelmente fiel. Não assisti o terceiro filme ainda, até porque sei que a história não é do Puzo e eu não gosto de continuações criadas por outros autores (consequentemente estou meio receosa com o filme). A única continuação desse livro escrita pelo Puzo é “The Sicilian”, que eu ainda não li (mas quero). Como sempre, vale o conselho: se gostou (ou não) do filme, vá ler o livro; é bem melhor e leitura obrigatória para quem se interessa por histórias da máfia.

Espero que tenham gostado! Boa semana e até a próxima!


4 thoughts on “O Poderoso Chefão (The Godfather) – Mario Puzo

  1. Oi, Nina.
    Eu não sou muito fã de Mario Puzo e nem de histórias de máfia, mas meu noivo, o Denis, é completamente alucinado por isso. Ele ama tudo o que se refere à máfia siciliana. Acho que talvez porque a família dele é de lá! rs…
    Beijos
    Camis

  2. Pingback: O Desafio Literário de Rory Gilmore - O Mundo da Marina

  3. Pingback: O Rei de Amarelo (The King in Yellow) – Robert W. Chambers | O Mundo da Marina

Tem algo a acrescentar?