O Vendedor de Armas (The Gun Seller) – Hugh Laurie

Oi! Nem acredito que já estamos no meio da semana e no meio de abril! Onde é que está indo parar o ano? Meu alívio é saber que sexta feira é feriado e que amanhã não tenho aulas, aí posso colocar a vida em dia. Aliás, falando em feriado, eu resolvi me dar uma folga, então esta semana não teremos resenha de compensação de fevereiro. Não se preocupem, ela vai ser feita, só não agora. Para hoje escolhi um livro que esperei muito para ler – e que valeu a ansiedade da espera. Vamos de “O Vendedor de Armas”.

“Quando Thomas Lang, ex-militar de elite recebe uma proposta de 100 mil dólares para assassinar um empresário norte-americano, ele decide, imediatamente, alertar a suposta vítima – uma boa ação que não ficará impune.Em questão de horas Lang terá de se defender com uma estátua de Buda, jogar cartas com bilionários impiedosos e colocar sua vida (entre outras coisas) nas mãos de muitas mulheres fatais, enquanto tenta salvar uma linda moça e impedir um banho de sangue mundial.”

Vou admitir que queria ler esse livro por ser fã do Laurie. Adorava seu trabalho como House, adoro sua música, e pensei comigo mesma que era bem capaz de adorar seu livro. Não estava errada, felizmente.

A história é uma investigação bem eletrizante, até parece um filme de ação em alguns momentos. Pode ser que a conspiração militar e suas consequências pareçam ligeiramente fantásticas, mas ainda assim são críveis, então o livro prende bem a atenção. Como é uma história cheia de detalhes e personagens, além de pequena (o livro é fino, tem só 288 páginas), pode ser meio confusa para alguns. Vale uma leitura mais calma no início para quem não está acostumado com uma narrativa de ritmo mais frenético.

As personagens têm um quê de House, de Mr. Palmer, do cara-no-avião. Pra quem acompanha o trabalho dele, logo dá pra perceber que ele leva um pouco de cada personagem para a narrativa, então é fácil gostar das personagens. O protagonista, Thomas Lang, foi minha personagem preferida, pois não é a sabedoria universal personificada, e podemos ver sua confusão – e sua genialidade – em vários momentos. Gostei muito de Ronnie também, mas não dá pra dizer o motivo sem contar parte da história, então vou deixar só assim.

No mais, a história é boa, rápida e dinâmica. Recomendaria pra quem gosta de investigações e/ou filmes de ação cheios de reviravoltas e surpresas. É uma história que vale a pena, e só complementa seu autor como um artista completo.

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana e bom feriado para todos e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?