Orange Is The New Black – Piper Kerman

Oi! Se você não é professor(a) não deve ser capaz de apreciar o quando as férias escolares se aproximando trazem uma mistura de sentimentos: tem aquela vontade desesperada de descansar, a saudades antecipadas dos alunos mais queridos, o alívio de se ver livre de tanta papelada, e a agonia de fechar notas – um processo burocrático e cansativo. A pior parte é quando você vê algum aluno de recuperação ou pior, reprovado – ainda não me aconteceu, e espero não viver a experiência, mas não sou ingênua e sei que ela virá. -; a melhor parte é quando você vê uma turma inteira aprovada de uma vez, especialmente com notas excelentes! Pois como fechei uma turma assim hoje, escolhi um livro que é quase como a profissão de professora: retrato de uma realidade difícil e cansativa, mas também cheia de momentos de doçura. Vem ver o que eu achei de “Orange is the new Black” – que veio pro Brasil com esse título mesmo!

orange-is-the-new-black

“Quando era jovem, tudo o que Piper Kerman queria era viver novas experiências, conhecer pessoas diferentes e descobrir o que fazer com o diploma recém-adquirido da prestigiosa Smith College. Anos depois, com um bom emprego e prestes a se casar, ela recebe uma visita inesperada – a polícia. Piper estava sendo intimada para responder por envolvimento com o tráfico internacional de drogas. A acusação era verdadeira – recém-formada, Piper teve um caso com uma traficante glamorosa que a convenceu a levar uma maleta de dinheiro para a Europa. Sua aventura pelo submundo do crime voltou à tona no dia em que a polícia bateu à porta dela. Depois de uma dolorosa odisseia pelo sistema judiciário americano, Piper acabou condenada a quinze meses de detenção numa penitenciária feminina no meio do nada – longe dos amigos, da família e de tudo o que ela conhecia. Em ‘Orange is the new Black’, Piper apresenta casos curiosos, perturbadores, comoventes e divertidos do dia a dia no presídio. Cercada de criminosas, logo percebe que aquelas mulheres são muito mais complexas do que ela imaginava. Ao mesmo tempo que aprende a conviver com regras arbitrárias e um rigoroso código de conduta, Piper revela as alegrias e angústias das presidiárias e analisa a crueldade com que o sistema carcerário as desumaniza e faz com que sejam invisíveis ao mundo exterior.”

Eu cheguei a este livro como a maioria das outras pessoas que o leu: através da série do netflix! Comecei a assistir à série quando a segunda temporada já estava para estrear, e, no primeiro episódio, pensei: “ah, legal. Mas não é tudo isso. Vamos ver o segundo.”. Quando eu vi já eram 3 da manhã e eu tinha quase acabado a temporada. Devorei a segunda temporada na mesma fome, e quis conhecer mais a história da Piper de verdade, e isso deve ter sido na altura em que botei minhas mãos no livro. Pra quem acha, no entanto, que lendo o livro vai ver ter spoilers do que vem por aí na série, não se preocupe: são duas obras tão independentes que quase não se tocam.

É que a Piper de verdade escreveu sobre as experiências dela na prisão e os roteiristas da série usaram o material para criar algo um tanto mais fantástico, com mais potencial narrativo. Digamos que a introspecção da autora não seria exatamente material para um seriado tão empolgante como a série. O livro é mais parado e mais calmo, mas isso não quer dizer que seja ruim! Pelo contrário, aliás: o realismo com que as coisas são narradas, sem um monte de firulas para aumentar o suspense fazem com que conhecer a realidade das prisões norte-americanas seja ainda mais interessante. Gostei muito de conhecer as histórias daquelas mulheres e de ver mais gente percebendo, no mundo todo, o quanto o submundo ensina. Eu e minhas paixões absurdas… nem preciso dizer que recomendo o livro, né? Mas já aviso: não é pra todo mundo!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos nós e até a próxima!


3 thoughts on “Orange Is The New Black – Piper Kerman

  1. Pingback: Retrospectiva Literária de 2015 | O Mundo da Marina

Tem algo a acrescentar?