Os Olhos do Dragão (The Eyes of the Dragon) – Stephen King

Oi! Última resenha da semana e eu resolvi falar do primeiro livro do King que eu li. “Os Olhos do Dragão” não é uma narração típica do autor, pelo que eu pude perceber dos comentários de seus fãs, mas é, pelo jeito, uma ótima forma de começar a ler as obras dele, que foi, coincidentemente, o que eu fiz.

“Os Olhos do Dragão” conta a história do distante reino de Delain, do Rei Rolando e seus filhos: Pedro (o mais velho) e Tomás. Rolando não é o melhor dos reis do mundo: ligeiramente tonto e desavisado, ele contornava esses defeitos enquanto a rainha Sacha, sua esposa e mãe de seus filhos, era viva, já que ela era uma mulher sábia e compassiva, que o aconselhava e ajudava a gerenciar o reino. Depois de sua morte, o rei passou a ser quase que controlado pelo conselheiro real, Randall Flagg, um mago poderoso e mau, que trama para matar o rei e culpar seu primogênito, colocando Tomás no poder. Tomás é um jovem limitado, mais até do que o pai, e Flagg vê aí a oportunidade para governar e ter o poder supremo do reino, como sempre quis. Agora Pedro precisa fugir de sua punição e salvar seu reino, antes que Flagg termine de destruir a vida dos súditos e moradores de Delain.

Logo na sinopse dá pra perceber que esse livro não é de terror, e sim uma história infantil. O modo como a história é contada, no entanto, é todo do King. Não estou dizendo que é um livro de contos-de-fadas de terror, e sim que dá pra perceber o estilo próprio do autor em cada linha, mesmo que a história seja tão simples e até previsível. Foi o primeiro livro do King que eu li, como já disse, e acabei por me encantar bastante com a escrita dele, partindo deste para “A Torre Negra” (é, eu sei que foi sandice); pra quem tem curiosidade de ler os livros mais clássicos e famosos dele (“Carrie”, “O Iluminado”, “A Hora do Vampiro”…) mas não sabe se vai curtir tanto, recomendo começar por aqui. Dá pra sentir um gostinho e ter uma ideia se é o que você quer ou não.

As personagens são bem contos-de-fadas mesmo: estereotipadas até não poder mais. Pedro é o menino inteligente, bonito, educado, valente e tudo mais que a sua mente quiser colocar de qualidades, enquanto Tomás não é apenas ligeiramente burro, mas também ligeiramente cruel, vingativo e até mesmo feio. Em qualquer outro tipo de história esse recurso seria pobre e ruim, mas em contos-de-fadas é até característica essencial, então não incomoda tanto. Flagg é um vilão daqueles bem cruéis e malvados, típicos de histórias infantis, mas que não fica restrito à esse tipo de história: “Os Olhos do Dragão” contém muitas referências à “Torre Negra” e seu universo, e Flagg não só apareceu na saga da Torre como em vários outros livros do King! Se você escolheu, como eu, ler “A Torre Negra”, é provável que passe boa parte da vida lendo tudo aquilo que se relaciona à ela, inclusive as obras do próprio King que fazem referência à sua magnum opus.

O livro é muito bom, tem aquele clima de contos-de-fada, mas com uma pitada do terror que consagrou seu autor. Nada pra te fazer medo demais, mas o suficiente pra dar vontade de ler outras coisas do gênero! Recomendo!

Espero que tenham gostado! Bom fim de semana e até a próxima!

P.S.: só pra se ter uma ideia, lista dos livros publicados do King aqui.

Tem algo a acrescentar?