Reinações de Narizinho – Monteiro Lobato

Oi! Hoje é Dia Nacional do Livro Infantil, e resolvi fazer uma pequena homenagem, com um dos livros mais encantadores que eu li na vida, e um clássico brasileiro: “Reinações de Narizinho”, o primeiro livro a contar a história do Sítio do Picapau amarelo – na realidade a primeira história do Sítio foi “A menina do nariz arrebitado”, mas Monteiro Lobato não se lembrava de onde o havia publicado inicialmente, portanto até hoje não a conhecemos.

“Reinações de Narizinho” é composto de várias pequenas histórias que começam a nos apresentar o universo e as personagens do Sítio, que pertence à Dona Benta, avó de Narizinho (o verdadeiro nome dela é Lúcia) e Pedrinho. Algumas das histórias são “Narizinho Arrebitado”, que conta um pouco da história da menina, “O Sítio do Picapau Amarelo”, que apresenta um pouco melhor o universo do Sítio, seus moradores e visitantes recorrentes, “O Marquês de Rabicó”, que conta a história do casamento do famoso porquinho com Emília, a boneca de pano de Narizinho e o “O Casamento de Narizinho” (com título alto-explicativo…). Como são histórias curtinhas, não dá pra falar muito detalhadamente de cada uma delas, senão estraga a surpresa, mas acho que todo mundo deve conhecer pelo menos um pouquinho desse universo tão doce criado pelo Lobato – mesmo que seja só pelas adaptações feitas para a TV.

Minhas personagens preferidas são Emília, Narizinho, Dona Benta e Tia Nastácia. Já prevejo as piadinhas me comparando com Emília, a boneca mais tagarela do mundo, mas tudo bem. Narizinho eu gostava, quando criança, pelo menos, porque era “Princesa do Reino das Águas Claras” e por ter o nariz arrebitado como o meu era (sim, verbo no passado, infelizmente!). Dona Benta eu gostava por ser aquela clássica vovozinha de contos de fada, acrescida de uma sabedoria enorme. Tia Nastácia parecia cozinhar tão bem que era inevitável que eu, gulosa, não me encantasse!

A história em si é, para mim, cheia de nostalgia e gosto de infância: tinha todos os livros em casa, e os reli vezes sem conta! Não sei o que foi feito da minha antiga coleção, mas sei que pretendo adquirir uma nova tão logo seja possível! Se você cresceu e ainda não leu nenhuma história do Sítio do Picapau Amarelo, não se desespere! Ainda há tempo, afinal, como diria uma dessas frases que ficam por aí rolando na internet, “a passagem do tempo é inevitável, envelhecer é opcional”, e se depender das histórias de Monteiro Lobato, vou ser criança pra sempre!

Espero que tenham gostado! Aproveitem o Dia Nacional do Livro Infantil pra reler aquele livro que era o mais querido da infância, bom restinho de semana, e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?