Suave é a Noite (Tender is the Night) – F. Scott Fitzgerald

Oi! Desculpem-me pela demora em liberar a resenha, mas acho que meu computador anda precisando de uma limpeza, porque não tem colaborado muito comigo nos últimos tempos – o que acaba por me atrasar nas publicações! De qualquer modo, é dia de falar de mais um dos trabalhos de um dos meus autores preferidos. “Tender is the Night” é o livro de hoje – e o título vai no idioma em que eu li o livro, como sempre.

tenderisthenight

“O psiquiatra americano Dick Diver e sua esposa Nicole são socialites glamourosos, desfrutando vidas brilhantes em meio a uma enxurrada de associados decadentes em na França, nos deslumbrantes anos 1920. Um círculo de admiradores são atraídos para eles, incluindo a jovem estrela em ascenção Rosemary Hoyt. Mas Dick tem uma fraqueza, Nicole tem um segredo, e a paixão de Dick por Rosemary catalisa o degringolar das relações e mancha a vida sob o sol Riviera.”

Peguei este livro para ler no início do ano por dois motivos: o primeiro era meu óbvio amor pelo autor, que me impedia de simplesmente não conhecer todas as suas obras. O segundo foi o fato de que ele faz parte do Desafio da Rory. Juntando-se os dois motivos eu não tinha mais porque adiar a leitura, e a comecei e terminei ainda mais apaixonada por Fitzgerald.

O livro é quase que auto-biográfico, já que retrata a relação de um casal que tem uma história bem paralela à do próprio Fitzgerald e de sua esposa, Zelda, que na altura da publicação estava internada em um sanatório, se tratando do alcoolismo e de seus distúrbios mentais. Poucas vezes tive tanta raiva de uma personagem quanto tive de Rosemary Hoyt, com sua suposta inocência e beleza, e do próprio Dick, que vai se enfraquecendo, enfeitiçado por uma mulher que, a meus olhos, parecia não só comum como também entediante. Tomei o lado de Nicole a maior parte do tempo, ainda que a achasse irritante em muitos momentos. Parece sandice dizer que gostei de um livro em que as personagens principais me enojaram tanto, em tantos momentos, mas acredito que elas são tão boas, tão bem retratadas e tão possíveis na vida real, que combinadas à narrativa típica do meu autor querido (lírica, poética, quase uma pintura, e ainda assim cheia de sentimentos e emoções cruas e vivas), formam um livro impossível de largar e muito bonito. “Tender is the Night” foi o último livro publicado por Fitzgerald antes de sua morte, e as palavras do próprio autor o resumem bem, emocionalmente: “Gatsby was a tour de force, but this is a confession of faith.” (“Gatsby era um tour de force, mas isso é uma confissão de fé.”). Preciso reforçar que recomendo?

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos nós e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?