Herança (Inheritance) – Christopher Paolini

Posted on

Oi! É dia de terminar série, assim abre-se mais um espacinho pra eu resenhar coisas novas. Gosto da sensação de renovação e de conclusão, então estou feliz. É dia de “Herança”, fechando as aventuras de Eragon.

herança

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Há pouco tempo atrás, Eragon – Aniquilador de Espectros, Cavaleiro de Dragão – não era mais que um pobre rapaz fazendeiro, e o seu dragão, Safira, era apenas uma pedra azul na floresta. Agora o destino de toda uma sociedade pesa sobre os seus ombros. Longos meses de treinos e batalhas trouxeram esperança e vitórias, bem como perdas de partir o coração. Ainda assim, a derradeira batalha aguarda-os, onde terão de confrontar Galbatorix. E, quando o fizerem, têm de ser suficientemente fortes para o derrotar. São os únicos que o podem conseguir. Não existem segundas tentativas. O Cavaleiro e o seu Dragão chegaram até onde ninguém acreditava ser possível. Mas serão capazes de vencer o rei tirano e restaurar a justiça em Alagaësia? Se sim, a que custo?”

Então chega ao fim a saga do Cavaleiro de Dragão. Confesso que o livro foi melhor do que eu esperava, e fiquei feliz com boa parte da conclusão. Não foi tão incrível quanto eu achava que podia ser quando comecei a ler a série, mas ainda assim foi melhor do que parecia que ia ser quando eu cheguei ao terceiro livro. Muitas histórias que eu gostaria de ver sendo aprofundadas acabaram não sendo, enquanto outras – cof cof, Roran – não me deixaram em paz, ainda que eu não quisesse saber delas. Ainda assim, eu gostei de ver Eragon derrotando o Imperador, de ver como a situação dele com Arya se resolveu, de ver Saphira encontrando mais um papel de felicidade pra exercer… foi agridoce, mas eu gostei, no geral.

Não é a melhor série do mundo. Não é o melhor livro do mundo. Mas é uma boa série e é um bom livro. Eu continuo recomendando, especialmente para pré-adolescentes e crianças. Eu, pelo menos, gostei de conhecer a história, ainda que ela não tenha sido tudo que eu esperava.

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos nós e até a próxima!

Ciclo da Herança:

01- Eragon

02- Eldest

03- Brisingr

04- Herança


A Morte da Luz (Dying of the Light) – George R. R. Martin

Posted on

Oi! Sinto que o novo ano está começando a aparecer no horizonte – e me dou conta de que devo ser mais maluca do que achava, afinal, já é a segunda semana dele! Como tive um fim de semana agridoce, vendo amigas queridas (o que me deixa feliz) mas me despedindo, porque cada uma voltava para seu respectivo lar (o que me deixa saudosa), escolhi resenhar um livro que ganhei de presente de uma delas. É dia de “A Morte da Luz”.

a-morte-da-luz

“Um planeta está prestes a morrer, seu caminho se afasta das estrelas que trazem vida àquele lugar. Suas 14 cidades, construídas rapidamente quando o planeta passou por perto de uma grande estrela, também estão moribundas. Worlorn não é o planeta que Dirk t’Larien imaginava, e Gwen Delvano não é mais a mulher que conhecera. Ela está ligada a outro homem e a esse planeta moribundo preso no crepúsculo, seguindo em direção à noite sem fim. Em meio à paisagem desoladora, há um violento choque de culturas, no qual não há códigos ou honra e uma batalha se espalhará rapidamente.”

Eu já conhecia o trabalho do Martin por causa dAs Crônicas de Gelo e Fogo, e quando conheci a Mari na Itália – dividíamos o apartamento com outras 6 meninas! – conversamos sobre os livros dele. Ela estava relendo um dos volumes da série, não me lembro qual, e isso começou o assunto. Ela me mandou “A Morte da Luz” pelo correio, uma espécie de presente de aniversário, natal e páscoa ao mesmo tempo, segundo ela. Linda que só!

Este livro, pra mim, mostra o mesmo problema que “As Crônicas”: Martin é criativo e constrói boas histórias, com uma beleza inesperada… mas não sabe como começá-las bem! Demora até entrar no universo que ele cria, demora até você sentir empatia pelas personagens e demora até dar pra entender a mitologia que cerca os acontecimentos principais. Aqui eu acabei por não sentir empatia nenhuma por Gwen, a única personagem feminina da história. Até gostei de Dirk, mas a verdade é que as melhores personagens são Garse e Jaan Vikary, que dividem uma das amizades mais lindas que eu já vi. Jaan, aliás, é uma personagem que merecia ser ainda melhor explorada do que foi, porque eu senti mil facetas escondidas ali, precisando ser exploradas! Apesar do início difícil, o livro é bom, com uma história legal e boas personagens. Recomendo, independente de não ser a maior fã do autor!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!


A Droga da Amizade – Pedro Bandeira

Posted on

Oi! É a penúltima semana do ano, dá pra acreditar? Passou voando e eu me pego impressionada com 2015! Como estou em ritmo de fechar ciclos, resolvi encerrar uma série que já estava encerrada (já explico) antes de começar os ritos de fim de ano do blog. É dia de “A Droga da Amizade”, o sexto volume da série “Os Karas” que foi publicado este ano!

adrogadaamizade

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Como Miguel começou a Turma dos Karas? Como conheceu e por que escolheu Magrí, Crânio, Calu, Chumbinho e a americana Peggy para formar esta turma tão especial? E por que Andrade era um policial diferente, melhor do que qualquer outro? Como cada um deles demonstrou ao líder dos Karas que era uma pessoa especial, tanto pela coragem, quanto pela honestidade, pelo caráter e pelo desejo de mudar o mundo para melhor? E o que terá acontecido com eles depois de todas as aventuras que estes sete heróis viveram? Em que se terão transformado todos eles depois de adultos?”

Eu já tinha finalizado as resenhas desta série há meses, e eis que Pedro Bandeira lança mais um livro, muitos anos depois da publicação das aventuras finais dOs Karas. A Mari, minha amiga que mora em Santos, foi ao lançamento, pegou autógrafo e bancou a repórter honorária do blog. E aí era só uma questão de tempo até que eu mesma começasse a ler o livro.

Este livro não conta uma nova aventura dos Karas. Ele é narrado, como os anteriores, em terceira pessoa, e está acompanhando Miguel, que se prepara para um momento decisivo de sua vida, lembrando, enquanto isso, de como os Karas foram formados. Levando-se em consideração que não temos nenhuma aventura grande sendo narrada, é importante dizer que alguns momentos de pequenas confusões antigas – e que não conhecemos nos livros anteriores – são narrados aqui. As personagens são as mesmas e o livro é exatamente o que promete ser: um reencontro com amigos queridos que deixamos na infância. Delicioso de ler e muito divertido, eu recomendo bastante!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

Série Os Karas:

1- A droga da obediência

2- Pântano de sangue

3- Anjo da morte

4- A droga do amor

5- Droga de americana!

6- A Droga da Amizade


Brisingr (Brisingr) – Christopher Paolini

Posted on

Oi! Mais uma semana que começa, mais uma chance de acertar meus horários e colocar meu calendário de resenhas em dia – vamos ver se finalmente consigo fazer isso por completo… hoje é dia de série, com “Brisingr”, terceiro volume do “Ciclo da Herança”.

Brisingr

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Em Brisingr, Eragon e seu dragão, Saphira, conseguiram sobreviver à batalha colossal na Campina Ardente contra os guerreiros do Império. No entanto, Cavaleiro e dragão ainda terão de se deparar com inúmeros desafios. Eragon se vê envolvido numa série de promessas que talvez não consiga cumprir, como o juramento a seu primo, Roran, de ajudá-lo a resgatar sua amada Katrina das garras de Galbatorix. Todavia, Eragon deve lealdade a outros também. Os Varden precisam desesperadamente de sua habilidade e força, assim como elfos e anões. Com a crescente inquietação dos rebeldes e a iminência da batalha, Eragon terá de fazer escolhas que o levarão a atravessar o Império, viajando muito além. Escolhas que poderão submetê-lo a sacrifícios inimagináveis? Conseguirá o jovem unir as forças rebeldes e derrotar o Império?”

Esse livro deveria ter sido o terceiro e último, quando a ideia era escrever uma trilogia. Aí a história aumentou mais do que se esperava e chegou ao quarto livro. Eu ainda não sabia que isso ia acontecer, mas comecei a suspeitar lá pelo meio do livro, quando vi que nada parecia se resolver. Pra ser muito franca fiquei bem furiosa, porque detesto quando autores são desorganizados e fogem do plano inicial e/ou quando são gananciosos e estendem uma série mais do que precisa só para ganhar mais dinheiro – e acabam por comprometer a qualidade do trabalho. Senti que este livro foi melhor do que o segundo, mas ainda assim fiquei irritada de ver o Roran ganhando tanto destaque. Não é uma personagem com a qual eu tenha simpatizado, e foi bem chato ficar vendo como ele era idolatrado quando, na minha opinião, quem segurava a maior parte do rojão era o Eragon – e isso ninguém parecia ver!

A narrativa continua seguindo a mesma linha dos livros anteriores, com uma ligeira melhorada. As personagens parecem aumentar mais e mais, e algumas que eu queria muito conhecer melhor tiveram um momento de maior destaque aqui. Outras que eu gostaria de ter visto mais ainda não tiveram seus momentos particulares contemplados aqui, mas falo sobre isso na próxima resenha. Ainda assim, recomendo a série! Tem coisas que podem ser melhoradas, mas no geral é muito boa!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

Ciclo da Herança:

01- Eragon

02- Eldest

03- Brisingr

04- Herança


Eldest (Eldest) – Christopher Paolini

Posted on

Oi! Mais uma semana que começa, mais um ciclo de resenhas. Ando lendo tão pouco que fico aborrecida comigo mesma, mas ao mesmo tempo tento me perdoar, pensando em tudo mais que tenho que construir e no pouco tempo pra isso. Ainda bem que é dia de resenha de série, assim minha distração não me atrapalha tanto. Vem ver o que eu achei de “Eldest”, segundo volume do Ciclo da Herança.

eldest

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“Eldest acompanha o amadurecimento do jovem guerreiro protagonista da história. A narrativa começa três dias após a cruel batalha travada por Eragon para libertar o Império das forças do mal. O Cavaleiro de Dragões se vê envolvido em novas e emocionantes aventuras. Em busca de um tal Togira Ikonoka, O Imperfeito que é Perfeito, que supostamente possui as respostas para todas as suas perguntas, Eragon parte, junto com Saphira, o dragão azul que o acompanha desde o início da aventura, para Ellesméra, a terra onde vivem os elfos. Lá, eles pretendem aprender os segredos da magia, da esgrima e aperfeiçoar o seu domínio da língua antiga.”

Esse livro acompanha mais uma das muitas jornadas de Eragon. Ele vai ao reino dos anões, ao reino dos elfos, ao acampamento dos Varden… depois de um tempo é que eu me dei conta que esse tanto de deslocamentos, além da divisão da narrativa (que eu geralmente gosto muito) é que me incomodavam nessa série: tudo em excesso incomoda, e todo livro era muito cheio de jornadas pro meu gosto, o que terminou por me cansar muito. Além disso, aqui Roran começa a ter um certo destaque, sobressaindo-se como herói do vilarejo em que vivia com o primo; esse papel vai dando mais e mais destaque ao moço ao longo do Ciclo, mas como eu não sou a maior fã dele como personagem (chato-de-galocha!) mal podia esperar para os pedaços que se focavam nele passarem logo. Apesar de ter gostado da série como um todo, achei o segundo livro bem enjoadinho, definitivamente não o melhor da série. Ainda assim eu recomendo, até porque é impossível entender tudo sem ler cada um dos livros!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos nós e até a próxima!

Ciclo da Herança:

01- Eragon

02- Eldest

03- Brisingr

04- Herança