A Outra Volta do Parafuso (The Turn of the Screw) – Henry James

Posted on

Oi! Hoje é a última sexta feira em que temos resenha de compensação das mini-férias! A partir de segunda o blog volta ao ritmo normal de duas resenhas por semana, às segundas e quartas. Pra terminar esse ciclo de reposições, escolhi um livro que li pra faculdade esse ano, mas que achei bem besta. É dia de “The Turn of the Screw” (o nome vai no idioma em que li o livro).

turnofthescrew

A outra volta do parafuso conta a história da jovem filha de um pároco que, iniciando-se na carreira de professora, aceita mudar-se para a propriedade de Bly, em Essex, arredores de Londres. Seu patrão é tio e tutor de duas crianças, Flora e Miles, cujos pais morreram na Índia, e deseja que a narradora (que não é nomeada) seja a governanta da casa de Bly. Ao chegar a Essex, a jovem logo percebe que duas aparições, atribuídas a antigos criados já mortos, assombram a casa. O triunfo íntimo da protagonista, mais que desvendar o mistério de Bly, consiste em vencer o silêncio imposto pela diferença de condição social entre ela e seus pequenos alunos.”

Bom, como eu contei lá em cima, este livro foi lido para a faculdade. Eu fiz uma matéria de Literatura Norte-Americana no segundo semestre e ele era o tema do seminário. Nunca tinha lido nada de Henry James, ainda que ele tenha livros mais famosos e conhecidos do que o que me foi designado, então estava curiosa. Também estava numa vibe de terror, já que sabia que ia ganhar “O Iluminado” de aniversário e fiquei bem curiosa pra ler algo do gênero e mais clássico. Infelizmente, o livro não me conquistou.

A grande questão é que o leitor passa o tempo todo se perguntando se a tutora está mesmo vendo fantasmas pela casa ou se é tudo imaginação dela e ela não é normal. Só que a tutora é tão paranoica sobre as crianças de quem cuida, que eu acabei por nem me preocupar tanto assim com os tais fantasmas! As crianças, aliás, são personagens interessantes e que deixaram a pobre tutora bem doidinha com seu comportamento estranho e meio sem explicações.

A narrativa em si é bem curtinha (a minha edição que é esta da imagem, tem mais ou menos 150 páginas), então dá pra sentar e ler o livro todo de uma vez, mas talvez se o leitor quiser mesmo construir a tensão crescente do terror, deva ler aos poucos. Pra quem já leu Stephen King ou outros autores de terror, já não espere lá nada muito assustador, porque no fim das contas o livro é bem morninho pro gênero. Recomendo como leitura rápida para conhecer um pouquinho melhor os fundamentos da nossa noção de histórias de terror, mas fica por isso.

Espero que tenham gostado! Bom fim de semana para todos nós e até a próxima!


O Vento Pela Fechadura (The Wind Through the Keyhole) – Stephen King

Posted on

Oi! O fim do ano está tão próximo, que quase dá para tocá-lo com os dedos estendidos, e eu mal posso esperar! Nesse meio tempo, tenho resenhas muito legais e um post muito especial pra sair, então fiquem ligados! Pra concluir mais uma série – vão ficar pelo menos cinco para serem concluídas em 2014 – hoje trago o último volume da série “A Torre Negra” a ser lançado, mas que deve ser lido – se você não leu a série ainda – entre o quarto e o quinto livro. Explico tudo mais pra frente no post, não se preocupem. Hoje é dia de “O Vento Pela Fechadura”.

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“No meio do caminho entre o Palácio Verde e Calla, o pistoleiro Roland Deschain e seu ka-tet – Jake, Susannah, Eddie e Oi, o trapalhão – são obrigados a acampar numa cidade fantasma. Caso contrário, seriam congelados com a chegada súbita e mortal de uma borrasca, tempestade única ao Mundo Médio. Para afastar o tédio da espera, Roland distrai o grupo com uma história de seu passado. Porém, no centro dessa lembrança, o jovem Roland, do passado, também narra uma fábula de sua infância, registrada em seu livro favorito: “O vento pela fechadura”. A lenda do menino Tim e suas aventuras em busca do mago Merlyn acabam revelando muitas verdades sobre Gilead, o Mundo Médio e o Pistoleiro.”

Bom, esse livro narra uma pausa entre os acontecimentos de “Mago e Vidro” e “Lobos de Calla“, onde os pistoleiros correm riscos com uma tempestade perigosíssima, que só existe no Mundo Médio. Quando Roland resolve contar mais um pedaço de sua juventude, acaba por narrar uma história que era sua preferida quando criança, assim, “O Vento Pela Fechadura” é uma história dentro de uma história dentro de uma história.

As personagens são basicamente o ka-tet, com a adição de uma personagem tão minúscula que nem vale mencionar, mas dentro do passado de Roland acabamos por conhecer outro de seus companheiros de infância, Jamie de Curry, que o acompanha na missão em que é enviado pelo pai. As personagens secundárias nesse livro até são interessantes, mas foi de Jamie que gostei, pois é bem diferente de Alain e de Cuthbert, os outros amigos do passado de Roland.

Sobre a história em si, o que posso dizer é que fiquei dividida. A história é até interessante e bem narrada, não nega seu autor; além disso, pude matar as saudades dos pistoleiros, e essa foi a melhor parte, mas a verdade é que mesmo que a história seja boa, ela era completamente desnecessária para a série em si. Não é que ela não traga novos elementos e informações interessantes sobre a busca da Torre, mas eu simplesmente fiquei com a sensação de que, se esse livro não tivesse existido, não teria feito muita diferença. Assim, gostei do livro e logicamente o recomendaria para quem quer conhecer a série da Torre com toda a completude, mas se você leu a série e não sabe se quer ler esse livro, não se sinta obrigado: a verdade é que dá pra passar sem ele!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos e até a próxima!

Série “A Torre Negra”:

01- O Pistoleiro

02- A Escolha dos Três

03- As Terras Devastadas

04- Mago e Vidro

05- Lobos de Calla

06- Canção de Suzannah

07- A Torre Negra

4.5- O Vento Através da Fechadura

Para ajudar a entender os termos da série, clique aqui e acesse uma wiki que pode ajudar!


A Torre Negra (The Dark Tower) – Stephen King

Posted on

Você fala a verdade, sai, e eu digo obrigado.

Stephen King – A Torre Negra

Oi! Semana começando e uma série que vai terminando: depois dessa resenha de hoje só falta mais um livro, lançado anos depois da conclusão da série e que não é essencial para o entendimento da história da Torre. Explicarei isso melhor na próxima resenha, por enquanto vamos ficar com “A Torre Negra”, último livro da série homônima.

foto-2013-05-01-00-18-37-684723813086748-Batecabeca

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

Recomeçando onde o livro anterior parou, Roland e Eddie estão no Maine enquanto Jake, padre Callahan e Susannah estão em Nova York. Depois de se encontrar com Susannah e se despedir do padre, Jake encontra um caminho de volta para o Mundo Médio, para onde também voltam Roland e Eddie. Faltando pouco para chegar à Torre e fugindo de Mordred Deschain, o filho de Roland com Mia, filha de ninguém (o Chapinha), o ka-tet tem que enfrentar os agentes do Rei Rubro enquanto o caminho individual de cada um vai sendo traçado.

Terminar a série foi, para mim, muito dolorido. É o tipo de história que realmente te prende, e ao mesmo tempo que eu queria saber o final e ver como a saga da Torre terminava, não queria me despedir das personagens às quais me apeguei.

A narrativa é ótima, e a mistura de mitologias só deixa o livro mais rico – procurem por “Mordred” no google e vão entender do que estou falando. Gosto muito da escrita do King, e mesmo que não fique tão fã das histórias de terror pelas quais ele ficou realmente famoso, sei que “A Torre Negra” é uma história que vai ficar comigo.

As personagens são as mesmas dos livros anteriores, com acréscimos ocasionais de personagens secundárias que ajudam a história a andar. Dessas secundárias gostei muito de Cullum, que ajuda Roland e Eddie a encontrar o caminho dentro do Maine. Além disso gostei bastante da participação do próprio King nesse volume. É melhor que a participação no livro anterior, certamente.

A série se encerra nesse livro, e o próximo a ser resenhado, “O Vento Através da Fechadura” se passa, na realidade, entre “Mago e Vidro” e “Lobos de Calla”, mas se você não quiser não precisa lê-lo; vou explanar um pouco mais sobre isso na resenha dele.

Uma série excelente, com uma mitologia fantástica e que, se demora pra te prender, quando o faz não te deixa mais. Muito mais do que recomendado!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos e até a próxima!

Série “A Torre Negra”:

01 – O Pistoleiro

02- A Escolha dos Três

03- As Terras Devastadas

04- Mago e Vidro

05- Lobos de Calla

06- Canção de Suzannah

07- A Torre Negra

4.5 – O Vento Através da Fechadura

Para ajudar a entender os termos da série, clique aqui e acesse uma wiki que pode ajudar!


Frankenstein (Frankenstein) – Mary Shelley

Posted on

Oi! Voltei às aulas hoje, por isso a resenha está saindo nesse horário, como era no início do ano. Será assim por alguns meses, então peço paciência para a publicação das resenhas do dia. Para a segunda resenha da semana escolhi mais um dos livros que me passaram para ler na faculdade, mas esse eu não li quando deveria. Hoje vamos de “Frankenstein”, de Mary Shelley.

frankenstein

Frankenstein conta a história do Doutor Victor Frankenstein, que é acolhido no navio do Capitão Robert Walton. Walton é um escritor fracassado que está viajando para o Pólo Norte em busca de conhecimento que possa lhe trazer fama, e que se corresponde com sua irmã Margaret Walton Saville; é através dessas correspondências que descobrimos a história do doutor Frankenstein. Acolhido moribundo no navio de Walton, Victor percebe no explorador uma ambição pela ciência e pelo conhecimento similares às que ele um dia teve, e resolve contar sua vida para seu salvador, na esperança de que sirva de aviso e que evite erros semelhantes aos seus. Um homem da ciência que buscava conhecimento acima de tudo, Frankenstein conseguiu descobrir o maior segredo científico de todos os tempos: como criar vida humana; esse conhecimento é posto em prática, e a criatura nascida desse experimento coloca em xeque todos os princípios do cientista, além de ameaçar a vida de seu criador e daqueles que ele ama.

Acho que a maioria das pessoas conhece o “monstro” Frankenstein, mas, até onde pude observar, a história original, só quem estuda Letras ou tem um super interesse em clássicos lê. É uma pena, pois a história é interessantíssima! Eu só não a li quando deveria por ter um certo abuso da professora com quem cursei a matéria, e sou dessas que prefere não ler quando sei que vou criar raiva…

A narrativa não me deixou propriamente horrorizada, mas considerando-se que esse livro é um dos precursores do terror, o gênero evoluiu, assim como nossa noção do que é assustador. O livro é bem escrito e bem narrado, mas é cheio de arcaísmos (pra quem lê em inglês, como eu, é um bom exercício de vocabulário! O inglês do século XIX é cheio de expressões diferentes.), então pode ser que incomode ao leitor.

As personagens são boas, e eu gostei do “monstro”. É uma criatura horrenda e má, certamente, mas é o maior exemplo de produto de seu meio que eu já vi – claro que não podemos generalizar e culpar o meio por todos os problemas do mundo, mas que a influencia é óbvia e que aqui aparece bastante, isso é! Victor Frankenstein é meio irritante, mas de certa forma gostei dele também! A personagem mais enjoadinha, para mim, é Elizabeth, noiva do cientista, que é muito cheia de altruísmos e pouco realista.

O livro é muito bom, é rápido de ler (por ser pequeno e por ser interessante), e foi uma leitura que efetivamente me acrescentou alguma coisa. Recomendado, com certeza!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana e até sábado, com a resenha mais especial da semana!


Canção de Susannah (Song of Susannah) – Stephen King

Posted on

Oi! Antes de começar o post devo avisar que essa semana será especial: além das resenhas habituais de hoje e de quarta, teremos uma no sábado, então fiquem ligados. Estamos quase chegando ao fim de mais uma série aqui no blog, que é a “A Torre Negra”, mas ao invés dos sete livros iniciais, incluirei o oitavo, que se situa entre “Mago e Vidro” e “Lobos de Calla”, e que vou resenhar ao final dos sete originais (e aí explico como funciona essa de entrar no meio da série). Por enquanto, fiquemos com o sexto livro, “Canção de Susannah”.

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

Depois de concluir sua missão em Calla, o ka-tet precisa se separar para encontrar Susannah (e Mia dentro dela) e salvar a rosa: Jake e Callahan vão atrás de Susannah e Rolland e Eddie vão atrás de Tower, para salvar o terreno. Os quatro vêm para o nosso mundo, e enquanto Jake e Callahan rumam para Nova York – onde Susannah e Detta estão lutando para manter Mia viva até que possa parir o chapinha -, Rolland e Eddie vão para o Maine, onde Tower simplesmente não parece colaborar. Nesse meio tempo, Susannah faz descobertas importantes sobre a Torre, e percebe que Mia entrou em um acordo em que não conhecia todas as cláusulas. O tempo está passando…

Bom, este é o segundo menor livro da série, e apesar de fazer parte da saga da Torre (e, consequentemente, da vida de Rolland), é centrado em Susannah e seus problemas para ter o bebê (ou chapinha, como Mia o chama). Como ele é centrado em Suze, acaba por ser um livro bem mais psicológico do que os anteriores, pois é na cabeça dela que muita coisa sobre a Torre e sobre cada uma das personagens se esclarece.

A personagem nova que aparece nesse livro é, de longe, a mais interessante de todas que vimos até agora: o próprio Stephen King. Explico: em 1999, King sofreu um acidente que o deixou entre a vida e a morte, e seus fãs ficaram preocupados que ele morresse sem terminar a história da Torre (quanto carinho, não?), que até ali só tinha chegado até “Lobos de Calla”. Toda a obra dele sofreu uma influência, direta ou indireta, desse acidente, e com sua maior empreitada/obra não podia ser diferente. Os pistoleiros devem se encontrar com King e convencê-lo a continuar escrevendo a história da Torre, para que possam chegar ao final de sua missão.

A escrita é tão excelente quanto o restante da série e os elementos psicológicos são de tirar o fôlego. Ainda assim, no meu ranking pessoal da série, este livro fica em 5º lugar. Não conseguiu me conquistar tanto quanto os outros, e foi, definitivamente, superado pelo último. Ainda assim é um ótimo livro e essencial para o entendimento da série: recomendo! Se tiverem a oportunidade, não deixem de conhecer a saga da Torre!

Espero que tenham gostado! Boa semana para todos e até a próxima!

Série “A Torre Negra”:

01 – O Pistoleiro

02- A Escolha dos Três

03- As Terras Devastadas

04- Mago e Vidro

05- Lobos de Calla

06- Canção de Suzannah

07- A Torre Negra

4.5 – O Vento Através da Fechadura

Para ajudar a entender os termos da série, clique aqui e acesse uma wiki que pode ajudar!