As Vantagens de ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower) – Stephen Chbosky

Conheço uma ou duas pessoas que estavam loucas para ver “As Vantagens de ser Invisível” aqui no blog, e o dia finalmente chegou! Nem sei por que demorei tanto para falar dele, mas, enfim, aqui está (e, antes que me esqueça, IMDb do filme de 2012).

Já disse que detesto capas de livros com imagens dos filmes, mas não encontrei uma imagem boa da edição que li!

O livro conta a história de Charlie, um adolescente que está começando o ensino médio e é invisível para as pessoas. Charlie não é como os outros meninos de 15 anos, já que passou por coisas que muitos deles não passaram. Sua tia preferida morreu no dia de seu aniversário, anos atrás, seu melhor (e único) amigo acaba de se matar, esteve por muitos meses frequentando um consultório psiquiátrico e não conhece ninguém na escola, perspectiva que não parece possível de ser mudada num futuro próximo, dada sua incrível timidez. Tudo muda quando ele conhece Sam e Patrick, dois alunos do último ano, que abrigam Charlie entre seu grupo de amigos e o ajudam um pouco a se descobrir. Ao mesmo tempo, no entanto, em que convive com seus novos amigos e se sente feliz e realizado, Charlie precisa lidar com outros problemas, tanto em casa quanto em sua própria cabeça, e com problemas que ele nem sabia que tinha – e que podem destruir sua felicidade tão duramente conquistada.

O livro é um romance epistolar, e não conhecemos a pessoa para quem Charlie endereça suas cartas. Na realidade, nem sabemos se o nome de Charlie é esse mesmo, já que ele diz logo no início que está mudando os nomes das pessoas para que o “amigo” não as reconheça. O tal amigo que recebe as cartas, aparentemente, não sabe quem é que as envia, ou pelo menos é o que Charlie dá a entender logo no início do livro; acredito que o objetivo do autor era fazer com que os leitores sentissem que eram os próprios receptores daquelas cartas.

As personagens são muito boas, e eu gostei do trio Charlie-Sam-Patrick. Charlie é um menino tão doce e tão ingênuo que é difícil não gostar dele. A parte de seus problemas que ele desconhece logo fica evidente para o leitor, e é de partir o coração perceber como ele não sabe o que está acontecendo com ele mesmo. Sam é uma menina madura para a idade, mas ela o é por ter passado por situações que a obrigaram a crescer depressa. Isso não tirou sua doçura e gentileza, no entanto. Patrick luta por ser gay e estar apaixonado por uma pessoa que até retribui seus sentimentos, mas que tem que ser mantida em segredo. Acho que qualquer leitor do livro vai encontrar alguma personagem com que se identifique, já que Chbosky pintou um retrato bem fiel da adolescência – e bem universal, também.

A história é boa, já que narra um ano de ensino médio, que é uma experiência que todos vivem (ou deveriam viver); mesmo em se tratando de um ensino médio diferente do nosso, é possível perceber que adolescentes são bem parecidos em sua confusão de sentimentos – e hormônios – e o livro ficou bem universal. Gostei da escrita, gostei da história, mas não gostei do final. Não do jeito que acaba, com isso estou ok, acho que ficou bem coerente, mas a escrita mais para o final me deixou com a impressão de que o autor já tinha se cansado da história e queria terminar logo, sem ligar tanto para o estilo que tinha desenvolvido com tanto cuidado no início da narrativa.

Enfim, o livro é muito bom e é curtinho. É rápido de ler, já que tanto a história quando o gênero literário são “fáceis aos olhos”, além de trazerem um tantinho de nostalgia pela “adolescência perdida” de cada leitor. Recomendo!

Espero que tenham gostado! Boa semana para nós e até a próxima!


2 thoughts on “As Vantagens de ser Invisível (The Perks of Being a Wallflower) – Stephen Chbosky

    • Tá vendo pq eu gosto do seu blog (e de você)? Você é sempre sincera (e a primeira que eu vejo dizer que não gostou desse livro, tenho que admitir! hihihi!)!

      Achei o livro um pouco triste em alguns momentos, mas o fora o final mal escrito, gostei bastante! =D

      Beijos!

Tem algo a acrescentar?