Visão Mortal (Visions in Death) – J. D. Robb

Oi! Setembro está terminando e é hora de resenhar mais um livro da Série Mortal! Por incrível que pareça, logo estaremos pareados com as publicações aqui no Brasil, então as resenhas não serão mais mensais! Faltam poucos livros para chegar ao que acaba de ser traduzido, então acho que meu projeto está dando certo! Nesse clima feliz, é dia de “Visão Mortal”.

visãomortal

Pode conter spoilers involuntários dos livros anteriores

“O verão de 2059 tinha sido muito longo, quente e sanguinolento. Em uma das noites mais quentes do ano, uma ligação da Emergência envia a tenente Eve Dallas ao Central Park, onde ela vai mergulhar de cabeça em uma investigação nada menos que infernal. A vítima foi encontrada nas pedras, pouco acima da superfície escura e plácida das águas do lago. Não usava roupa alguma, com exceção de uma fita vermelha, feita de gorgorão, atada em torno do pescoço. Suas mãos estão colocadas sobre os seios, em oração. Mas são os seus olhos – removidos com a precisão de quem tem a habilidade de um cirurgião veterano – que deixaram Dallas mais alarmada.”

Todo caso que a Tenente investiga e que a faz lidar com algo fora de sua zona de conforto é bem divertido, já que ela sempre reage de uma forma cômica ou cética (ou uma combinação hilária das duas coisas). Tudo bem que assassinatos jamais serão legais e/ou divertidos, mas pra contrabalancear o clima sombrio da investigação (esse negócio de arrancar os olhos me deixou bem agoniada) Eve recebe a ajuda de uma “sensitiva”, Celina Sanchez, que é causa de desconforto visível para uma mulher tão prática e que não tem absolutamente nenhuma fé em assuntos do outro mundo. Apesar do papel que Celina acaba por representar na história, pelo menos deu pra ter um alívio da tensão em grande parte da narrativa.

Nesse livro Peabody acaba por se ferir, e a lealdade de Eve para com ela é bonita e tocante. É bem legal ver como uma detetive que começou só como uma policial comum se tornou parceira de uma grande profissional, e como as duas desenvolveram uma amizade tão incomum e bonita! Aliás, é nesse livro que Dallas divide seu maior segredo com Peabody, selando de vez a cumplicidade entre as duas. É um livro muito bom e que forma muito bem o arco da história! Recomendo bastante!

Espero que tenham gostado! Bom resto de semana para todos nós e até a próxima!


Tem algo a acrescentar?