Zona Contaminada – Caio Fernando de Abreu

Oi! Desculpem-me pela falta de post ontem! Acordei doente e tive um dia corrido, não deu pra vir aqui e fazer uma resenha decente, achei melhor adiar um dia. Sobre o livro de hoje, é uma provinha de um escritor que todo mundo diz que leu mas que até hoje eu só vi um número limitado efetivamente lendo (e não citando em redes sociais por aí). “Zona Contaminada”, peça de Caio Fernando de Abreu é a história de hoje.

“Zona Contaminada” conta a história de um mundo pós-apocalíptico, que ficou nesse estado depois da chamada “Grande Peste”, uma epidemia que infectou todos os homens no mundo, escapando apenas duas irmãs, Vera e Carmen. Vera é uma mulher decidida e guerreira, que mantém as duas sobrevivendo, escondidas em uma loja funerária que está em escombros, assim como o resto do mundo. Carmen é quase da mesma idade de Vera, apenas um pouco mais jovem, mas em personalidade é seu completo oposto: avoada, vaporosa, desligada, é incapaz de cuidar de si mesma, e vive como se a Grande Peste não tivesse acontecido. As duas vivem nesse mundo lutando pela sobrevivência e fugindo dos contaminados, que as procuram para tentar obrigá-las a procriar, já que são as duas únicas que têm úteros saudáveis e podem evitar a extinção da raça humana. A vida das duas segue nesse ritmo, até que Vera conhece o Homem de Calmaritá. Forte, sensual e, como ela, limpo, sem a peste. Ele a convence de que há um local onde pessoas não contaminadas vivem em comunidade, a chamada Calmaritá, e Vera e Carmen resolvem ir com ele buscar o tal lugar. Mas os contaminados continuam procurando-as…

A peça é muito interessante e muito pesada, também. Uma das primeiras cenas é uma masturbação, daí se tem uma ideia de como as coisas vão se desenvolver; nada nela é de graça, no entanto. Não é uma desculpa para erotismo barato e sem sentido. Tudo o que Abreu narra pode ser devidamente analisado como a provável reação da raça humana caso uma peste como a da peça realmente acontecesse. Foi a primeira obra dele que eu li, e gostei muito. Na realidade, quando a li, tinha 13 anos, e a apresentei na escola, no fim do ano. Fui uma das meninas que representou o radialista Nostradamus, que fica anunciando tudo o que acontece na peça.

Falando em Nostradamus, as personagens são todas muito boas. Gosto de Vera, que é forte, decidida e corajosa, lutando com unhas e dentes para continuar viva, mesmo não tenho nenhuma esperança de um futuro melhor. Carmen é um tanto irritante com suas futilidades, mas é também muito divertida, e acabei por gostar dela também. Obviamente que gosto de Nostradamus, afinal, tenho com ele uma relação de palco, e esta é bem forte.

A peça é forte, Teatro Negro puro. A escrita de Abreu é forte, contundente, cheia de influências de sua cultura e criação, e eu adorei. Para escrever a resenha reli alguns pedaços da peça, e fiquei com vontade de relê-la toda, tão boa que é. Leiam! Caio Fernando de Abreu é realmente um escritor excelente, mas não é feito (só) das frases pseudo auto-ajuda que são postadas por aí…

Espero que tenham gostado! Bom fim de semana e até a próxima!


2 thoughts on “Zona Contaminada – Caio Fernando de Abreu

  1. Oi, Nina.
    Essa indicação é ótima!
    Já tinha ouvido falar nessa peça, mas nunca tinha lido uma resenha sobre ela!
    Não me canso de dizer o quanto admiro esse seu gosto por literaturas mais profundas, clássicos e tudo mais!! Parabéns!
    Beijos
    Camis

    • Obrigada, Camis! Só é uma pena que eu não tenha tanto tempo para ler quanto gostaria, tem tantos livros bons por aí… se eu gostasse só dos livros clássicos era mais fácil, né, mas gosto de tudo, aí fica complicado! hahah!

      Um beijão!

Tem algo a acrescentar?